29 de setembro de 2008

Explicações da Câmara não convencem

A Associação Ateísta Portuguesa considera uma "inaceitável quebra da laicidade do Estado" o pagamento de uma excursão que levou mais de nove mil munícipes idosos famalicenses ao Santuário de Fátima e que foi paga pela Câmara de Vila Nova de Famalicão e queixou-se ao Governo.
Em resposta, a Câmara diz que "não é verdade que se trate de um passeio religioso". No entanto, no site da Câmara Municipal diz claramente que "A nova igreja da Santíssima Trindade, no Santuário de Fátima, foi pequena para acolher os cerca de nove mil idosos famalicenses," e ainda "Depois de alimentado o espírito, os seniores foram ocupando as mesas existentes no espaço envolvente ao Santuário,".
Já no ano passado aqui escrevi que "há um manifesto aproveitamento da natural vulnerabilidade dos idosos em relação às questões religiosas." e perguntei: Só se é solidários para com os idosos? E os idosos que não sejam católicos terão alguma iniciativa idêntica?

1 comentário:

"O Presidente da Terrinha" disse...

Caro amigo,
Concordo plenamente consigo quando diz que o estado deve apoiar todo e qualquer cidadão português independentemente da sua crença religiosa.
No entanto não é apoiando o protesto de uma associação ateísta que se resolve o problema.
Dexemo-nos que hipocrisias:
1º Assim, como não devemos discriminar que não é católico, não devemos discrimar quem o é.
2º Possivelmente a população portuguesa é 90% católica.
3º Pode ter a certeza que este passeio (que tem um interesse politico por parte da câmara) é o UNICO PASSEIO do ano, e possivelmente o UNICO DIA DE FÉRIAS de muitos "velhinhos"...se lhe tirarmos isto, podemos estar a tirar quase tudo relativamente a passeios anuais.
4º Não é tirar o "passeiínho" aos "velhinhos" que resolvemos esta questão, mas sim, se conhcermos alguma comunidade religiosa que queira fazer uma excursão ao seu templo, obrigar a Câmara a financiar essa Viagem...
Cumprimentos

"O mal dos seres humanos, é que preferem ser arruinados pelos elogios, a ser salvo pelas críticas."