26 de maio de 2008

A liberalização da escolha.

Hoje tive que abastecer o meu carro e quando o ia fazer lembrei-me dos emails que tenho vindo a receber sugerindo o boicote às maiores distribuidoras de combustíveis. Lembrei-me então que, tendo a liberalização permitido que os preços tivessem subido sem nós podermos fazer nada, também nós temos a liberdade de poder escolher onde abastecer.
Naturalmente que abasteci num revendedor que não pertence a essas grandes petrolíferas.
Outra opção que já não é de agora, é andar o menos possível de carro.

2 comentários:

Mário de Sá Peliteiro disse...

O meu pai ensinou-me e ainda hoje conduzo, mesmo inconscientemente, "à Salazar".
Conduzir "à Salazar" é, por exemplo, ir de S.Tiago da Cruz até à Vila com o motor desligado (hoje, por causa da direcção assistida tem de ser com oo motor em ponto-morto).

Estamos a voltar aos tempos antigos...

Há que tempos que não ando "de camioneta" na "carreira". Um dia destes terei que me readaptar.

José Luís Araújo disse...

De facto essas palavras fazem-me recordar os tempos de infância em que eu vinha a pé de Sezures até Arnoso para apanhar a dita "carreira" quando era preciso ir (agora seria vir) à vila.
Lembro também que com 13/14 anos trabalhava em Arnoso, ida e volta sempre a pé. No fim da tarde, voltava a pé até Arnoso apanhar o autocarro para ir estudar para Ruilhe e voltavas às tantas de novo a pé para Sezures.
Muitos kilometros se andava a pé nessa altura.

"O mal dos seres humanos, é que preferem ser arruinados pelos elogios, a ser salvo pelas críticas."